quinta-feira, 9 de setembro de 2010 | By: Beatriz Santos Gonçalves

Noites acordadas, para mim, tornaram-se rotina.

“Ah, o doce quente aroma do café...
Entrego-me à caneta, ao de leite de minha inquietude.
Submersa em meio a pensamentos, completo delírio de meu ser.
Tantas imagens em meio a noites claras, acordada aguardando o frio amanhecer.
Caminho por entre a chuva, que lava meu corpo, me revive.
Deparo-me com o mar...
O sol preguiçoso não veio trazer-me as forças de um novo dia.
O peito aperta, algumas lágrimas caem...
Uma efervescência de sentimentos instalando uma ditadura em minha mente.
Culpa. Decepção. Saudades...
Desperto-me aflita,
Noites acordadas, para mim, tornaram-se rotina.
Tento, em vão, esquecer o que me aflige...
Ah... O doce quente aroma do solitário café...”

(Triste Solidão - Beatriz Santos Gonçalves)

4 comentários:

Carlos disse...

Bia, exceto em "à caneta", todas as outras crases estão mal empregadas. Retire-as. Coisa de prof. chato. rsrsrs.
beijos

Beatriz Gonçalves disse...

Epa! Arrumando-as agoooora Estevez! =D
Valeu pelo 'puxão de orelha'! rsrsrsrsrsrs
Beijos

Carlos disse...

Não foi um 'puxão de orelhas', até porque para quem escreve um texto chamado "triste solidão", principalmente uma pessoa como vc, a gente quer dar é colo... rsrsrs voltando ao professor chato, 'à pensamentos' continua errado. E a regência agradeceria se vc caminhasse no meio da chuva... e não em meio a chuva.
Beijos.

Carlos disse...

já leu meu último poema, "Necrópolis", em http://my.opera.com/rockarlos64/blog? aguardo a sua opinião. Se melhorar das cólicas apareça no churras do sala 2. I will be there.

Postar um comentário