quinta-feira, 5 de agosto de 2010 | By: Beatriz Santos Gonçalves

Quero estar com as minhas filhas, dar-lhes o amor que não pude, um amor que fui negada, sentir-las em meu abraço...

"Estou presa no fundo de um navio.
Não há muita iluminação e mau cheiro me enjoa.
Batemos em um rochedo a pouco, e em questão de pouco tempo não haverá mais ar onde eu me encontro somente água.
Vim trazida em meio aos outros escravos.
Não sou negra, fui exilada. Escapei por pouco da fogueira, acusada de bruxaria pelo próprio esposo, pois não pude lhe dar um filho homem.
Ele matou todas as nossas filhas. Cinco lindas meninas, lembravam a minha mãe.
Estou aqui nesse navio negreiro, tratada como escrava. Mas a situação deles é muito pior.
Eu ajudo como posso, limpando suas feridas, cuidado de suas crianças. Tão maltratados... Há feridas abertas em todas as partes do corpo. E os homens não se importam, não olham por nós.

A água já está na cintura, o desespero é total, muitos já morreram. Escrevo como quem desabafa, minhas últimas palavras, às custas da pouca educação dada pelo meu pai em casa.
Só tenho um último desejo, antes de entregar à fúria da água. Quero estar com as minhas filhas, dar-lhes o amor que não pude, um amor que fui negada, sentir-las em meu abraço...
Não sei se existe um céu, ou se vou para outro lugar. Só espero que elas estejam lá, sorrindo pra mim, me reconheçam... Esp..."

(Navio Negreiro - Beatriz Santos Gonçalves)


Estou com textos acumulados em minha bolsa do pré...
Ando escrevendo um bocado de coisas, este conto foi uma carta que escrevi em uma regressão feita... Não sou espírita...

Ela já tem quase 4 anos, e ainda mexe um pouco comigo...
Sempre tive muitos problemas com locais com muita água, principalmente o mar...

Enfim, devo publicar mais um texto meu ainda hoje..
Tenho que estudar, e assim que terminar eu venho aqui!
Pelo menos pra não deixar acumular demais, e acabar perdendo algo..

Beijos pessoal,
Fui-me!_o/

1 comentários:

Raphael disse...

Bia... lindo demais..
Mas ainda acho que o marido da mulher ai, matou as filhas, nao eh porque era meninas naum, e porque pareciam com a sogra... cinco de uma vez...! Ai e bruxaria mesmo! kkk... to brincando

como sempre... um conto maravilhoso!
Parabens

Postar um comentário