sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010 | By: Beatriz Santos Gonçalves

Porque eu não vivi "feliz para sempre", depois daquele dia. Eu sinto falta de minha Fera.

"Meu nome é Bela. É provável que você já tenha ouvido falar de mim. Minha história, ou melhor, a história que contam a meu respeito, já foi repetida inúmeras vezes. Mas nem de longe é a minha história.
Os detalhes foram totalmente omitidos. Eu pensaria que, depois de ser repetida tantas vezes,alguém, ao menos uma vez, esbarraria na verdade.
E talvez alguns de vocês tenham lido por entre as frases ilusórias e desconfiado da verdade, por mais inacreditável e chocante que pareça.
Ou talvez a verdade seja realmente fantástica demais para se acreditar. Admito que há vezes em que eu mesma quase não acredito, e tudo parece um sonho distante.
De fato, parte do que foi registrado como minha vida é verdade, já que, para salvar a vida de meu pobre pai, concordei em viver com uma temível criatura, mais fera do que homem. Também é verdade que me apaixonei pela Fera. Quanto ao que aconteceu depois disso, os livros de história são bem precisos em sua apresentação da Fera que, diante de minha declaração de amor, foi liberta de uma maldição e voltou à sua forma original, como um charmoso príncipe. Nós nos casamos naquele mesmo dia.
Mas aí terminam as semelhanças entre a lenda que vocês leram e a minha incrível narrativa. Porque eu não vivi "feliz para sempre", depois daquele dia. Eu sinto falta de minha Fera.
Enquanto definho por entre os corredores desse castelo, meu pensamento sempre regressa ao primeiro dia que passei aqui. Foi com grande tremor que deixei meu quarto naquele dia, com muita cautela, seguindo pelos vastos corredores que serpenteiam por essa fortaleza. Apesar de toda a especulação sobre o assunto (motivo pelo qual não preguei os olhos na noite anterior), eu não podia imaginar o porquê de a Fera ter solicitado minha presença. Passei aquele dia sozinha, entrando e saindo dos cômodos, olhando os arredores desconhecidos, enquanto tentava adivinhar o que vinha pela frente.
Não se pode dizer que vim para esse imenso castelo da Fera contra minha vontade, pois eu estava um tanto ansiosa em deixar para trás a pobreza e o tédio de minha infância. Portanto, quando o dever me premiou com essa aventura, não fiquei totalmente insatisfeita. Eu não poderia dizer como um castelo deveria ser, mas pareceu-me que tudo o que vi era exatamente como deveria. Ancestrais de aparência um tanto austera me olhavam desdenhosos nas molduras penduradas nas paredes. Outras paredes exibiam tapeçarias de piqueniques franceses, vinhedos italianos e outros encontros exóticos. A mobília era entalhada na mais fina madeira, os carpetes exageradamente grossos e coloridos. Resumindo, tudo era um tanto extraordinário em sua elegância e esplendor.
Naquele dia não tive a chance de encontrar a Fera, enquanto vagava pelo castelo. Em minha chegada, na noite anterior, ele instruíra um serviçal a me conduzir diretamente ao meu quarto, depois rapidamente me despedi de meu pai, e o vi carregar dois baús pesados em sua carruagem. Eram presentes da Fera, que ordenara que enchessem os baús de tesouros para meu pai levá-los com ele. Pensar em minha família abrindo os baús me proporcionou satisfação e calma.
Não saí de meu quarto durante o restante da noite, por mais que estivesse inquieta e sem sono. Pelas longas horas daquela noite silenciosa, até o começo do dia seguinte, pensei sobre o fim de minha vida antiga, enquanto seguia de um cômodo a outro, olhando tudo, minuciosamente, sem ver uma alma Viva .
o jantar foi anunciado com o tocar de uma campainha, e foi então que voltei a encontrar a Fera. Apesar de sua aparência horrível e de sua voz rude, fui felizmente surpreendida ao descobrir que ele era, de fato, um anfitrião encantador, pois passamos o primeiro jantar conversando amistosamente, acompanhados de comida e bebida que deleitavam o paladar. Assim que a refeição terminou, a Fera se levantou, me inspecionando por um instante com seus olhos escuros, antes de perguntar:
-Aceita se casar comigo, Bela?
Encarei a Fera estarrecida. O que eu deveria fazer? Embora meu coração estivesse batendo forte, em estado de alerta para não enfurecê-lo, de algum modo consegui sussurrar:
-Não, Fera. A Fera acenou ligeiramente com a cabeça e disse: -Então está bem -num tom que indicava já esperar essa resposta, depois se foi pelo corredor.
Aliviada por não ter provocado a Fera com minha recusa à sua proposta, também deixei a sala de jantar para me recolher.
Esqueci de descrever meu quarto? Não pense que foi por não valer a pena, pois era e ainda é o quarto mais bonito que encontrei nesse elegante castelo.
Na noite anterior, assim que entrei no cômodo, estava preocupada em reparar em tudo ao redor. No entanto, nessa noite, passei de uma coisa para outra, examinando a enorme variedade de objetos que haviam sido colocados ali para meu conforto, até que meus olhos pararam na cama extraordinária em que eu iria dormir. Ao longo dos dosséis altíssimos exibiam-se entalhes detalhados de imagens de animais, circundando as bordas e subindo até o alto, onde havia um homem coroado. Eu desconhecia o significado dos entalhes extraordinários que adornavam aquelas molduras de madeira, mas, mesmo assim, olhava-os atentamente, de forma que sua beleza não foi desperdiçada comigo, apesar de minha criação humilde.
Ao lado da cama havia um buquê enorme, com mais de cem flores cor-de-rosa, colocadas num vaso imenso na mesinha-de-cabeceira. E posso garantir que, daquele dia em diante, nunca mais houve uma noite em que eu entrasse em meu quarto sem encontrar um lindo buquê de flores recém-colhidas.
A roupa de cama era tão magnífica quanto tudo em que pousei os olhos naquele dia, e um arrepio de puro deleite me percorreu quando mergulhei nos lençóis de seda pura. Foi uma sensação tão prazerosa que fiquei momentaneamente tentada a tirar minha camisola. Em vez disso, lentamente corri as mãos pelos lençóis. Meus sentidos rapidamente mergulharam em sensações exóticas, influenciados por tanto luxo.
Fui surpreendida em meio ao encantamento, quando uma luz subitamente entrou pela porta do quarto.
-Quem está aí? -perguntei, sentando e trazendo os lençóis de seda até o pescoço.
-Apenas eu, seu servo, a Fera -foi a resposta gentil. Seu comportamento era tranqüilizador e agradável, tanto quanto temível a sua aparência.
-Pode entrar -respondi, mais calma.
A Fera abriu a porta do meu quarto, mas não passou da soleira. Através da luz fraca do corredor, pude ver claramente o perfil de seu corpo que, não fosse sua gentileza, seria assustador. Esperei que ele falasse.
-Eu apenas gostaria de saber se correu tudo a contento, minha dama -disse ele, permanecendo do lado de fora.
-A contento? -repeti, subitamente entretida. -Minha nossa, não! jamais me atreveria a descrever esses aposentos como "a contento". -Sorri ligeiramente por minha piadinha e joguei para o lado as cobertas extravagantes, me esticando até a mesade-cabeceira para acender o lampião.
A Fera continuou em silêncio e me encarava, aparentemente estarrecido. Vendo sua expressão, percebi que minha súbita resposta provavelmente o teria insultado, e logo procurei consertar as coisas.
-Oh, Fera! O que eu quis dizer é que... bem, é lógico que tudo está a contento. Nossa, muito mais que apenas a contento! Foiissoque eu quis dizer,claro.
Mas algo estava terrivelmente errado. Era como se a Fera nem sequer tivesse me ouvido. Sem pestanejar, pulei da cama e me aproximei dele, empenhada em me explicar. Mas só consegui dar alguns passos até paralisar-me de terror.
Teria eu ouvido um rugido? Minha mente se alternava entre choque e descrença. Isso era impossível! E seus olhos tinham um brilho tão estranho. Ele ficou totalmente imóvel, como um animal pronto para atacar.
-Fera? -sussurrei, mais em tom de súplica, que de interrogação.
E ele subitamente se foi."

(Trecho de A bela e a fera _ Contos de fadas eróticos - Nancy Madore)

0 comentários:

Postar um comentário